sexta-feira, 29 de maio de 2015

MAIS ALGUMAS POESIAS DO MEU LIVRO, ONLINE


TRABALHO DAS VOLUNTÁRIAS

Da Santa Casa da Misericórdia de

Cardigos/Mação


Nós somos as voluntárias

Da Misericórdia de Cardigos

E, gostamos de ajudar

Os nossos bons amigos.



Ensinamos a ler,

A escrever e a pintar,

Com toda a satisfação

Para os poder alegrar.



Até a avó Lúcia

Que 102 anos tem,

Pintou pela 1ª vez

E escreveu também.



Escrevem belos textos

E orações antigas.

Alguns também cantam

Umas belas cantigas.



Gostam muito de ler

E sobre o assunto falar.

Dá-lhes imenso prazer

As imagens contemplar.



Ditados populares,

Interessantes tradições,

Nisso são peritos

A darem-nos lições.



Gostam de picotar,

Nas horas de lazer

E também de tricotar

Para o quadro fazer.



Fazemos-lhe companhia,

Medimos-lhe a tensão

E também os ajudamos,

Na hora da refeição.



Praticam ginástica,

Com todo o prazer,

Sabendo de antemão

Que é para saúde ter.



Têm lições de Catequese,

Com muita dedicação

E, assim são preparados

Para a sua comunhão.



Todos rasgaram papel

Para a pasta moldar

E, assim as belas imagens

Puderam ornamentar.



Os trabalhos do presépio

Feitos, com muita alegria

Pelos nossos amiguinhos

A Jesus, José e Maria.



Paz, alegria e saúde

E um grande ideal

Desejam as voluntárias,

Com votos de Bom Natal.



Declamada e feita por

Gracinda Tavares Dias,

na Festa de Natal.

AMOR AO PRÓXIMO


Não sejas vingativo,

Nem guardes rancor.

Trata bem próximo

E dá-lhe muito amor.



Deus ajuda sempre

Quem dá, com alegria.

A um irmão necessitado,

Ajuda no dia-a-dia.



Consola os que sofrem

E faz-lhes companhia.

Visita os doentes,

Com muita alegria.



Encobrirás as faltas

Se fores caritativo,

E, Deus terá misericórdia

Por esse belo motivo.


POEMA DE PÁSCOA


Mais uma festa a comemorar

e que devemos adorar

num memorável e grande dia,

em que Jesus ressuscitou

dando-nos imensa alegria

o Senhor, que muito nos amou!


É tempo de solidariedade,

De darmos as mãos,

num abraço de lealdade,

como verdadeiros irmãos.


É tempo de perdoar

de se reconciliar

de agradecer

e de nunca esquecer

o sofrimento do Senhor

com todo o amor.


É tempo de pedir perdão

de vivermos em união

de praticar mais caridade

mais amor e bondade.

HINO DE LOUVOR À MULHER


No dia 8 de Setembro de 1857

Ao fazerem greve pelos direitos

As cerca de 130 operárias

Foram encerradas

Para serem queimadas

Numa fábrica, em Nova Iorque!


Reivindicavam, com razão

De 16 horas a redução

Para 10 horas de trabalho

E por receberem menos de um terço

do salário pago aos homens

Por tão grande descriminação

E tão grande opressão!


Em 1910, na Dinamarca

Numa Conferência internacional de mulheres

Foi decidido comemorar

o dia 8 de Março

Como o dia internacional da Mulher

em homenagem àquelas mulheres

Que lutaram por outra qualquer

Nunca devemos esquecer

estas mulheres heroínas

Que pelos direitos tiveram que morrer!


Desde então para cá, o movimento

a favor da emancipação da Mulher

Tem trabalhado, com amor

Tanto em Portugal,

Como no resto do Mundo

para que numa alegria, sem igual

A mulher tenha orgulho profundo

Seja digna de todo o louvor

Sem qualquer favor!


Pretende-se chamar a atenção

Para o seu papel e dignidade

E levar à consciencialização

Do valor da pessoa humana

Perceber o seu papel na sociedade

Contestar e rever preconceitos

E limitações que vêm sendo impostas

Que para todos os efeitos

As ideias sejam propostas

Para reconhecer à Mulher a igualdade!


Em 1822, na 1.ª Constituição liberal

E nas seguintes Constituições

Afirmaram que a lei é igual

para todos, sem referência especial

ao sexo ou outras descriminações!


OUTRA POESIA PARA A MULHER


DIA DA MULHER


Mais um dia da Mulher

a festejar com amor

e com todo o primor!

Não deixemos de participar

neste evento de louvar

e de muito admirar

por ver mulheres a lutar,

para outras apoiar,

nos seus legítimos direitos

por mais dignidade,

pelos seus feitos,

para mais liberdade

e, também igualdade.


Não mais descriminação,

Apenas por ser Mulher!

não mais tanta opressão,

que, isso, ela não quer!

Lutemos ainda mais

para ideais conseguir

e não proferir tantos ais,

nem, mais mal admitir!



Dia 8 de Março é o nosso dia,

dia de amor e confraternização.

As Mulheres merecem alegria
e muitos Parabéns, com emoção!


AO PAI


O memorial 19 de Março

Ao Pai é, bem dedicado

E, com um grande abraço

Por mim é sempre lembrado.



O meu pai é querido

E bastante amoroso.

É um pai sempre amigo

E também muito formoso.


A S. JOSÉ


Como protector da família,

É S. José venerado

E, com grande alegria

Por nós será estimado.



19 de Março é dia de S. José

E, para o Pai foi escolhido.

O exemplo da Casa de Nazaré

Deve ser sempre seguido.


A FLORESTA


O dia 21 de Março é lembrado,

Como o Dia Mundial da Floresta

E, com muitíssimo agrado

Celebramos a grande festa.



É tempo de árvores plantar

Para a paisagem embelezar

E termos fruta saborosa

Como o perfume da rosa.



As árvores dão sombra

Para refrescar, no Verão

E, também boa lenha

Aquecendo, noutra estação.



O oxigénio para respirar

Na saúde é o primeiro.

A madeira para utilizar

Tem um fim pioneiro.



A POESIA


O dia 21 de Março é festejado,

Como o dia mundial da poesia

E, com grande alegria

Deve ser comemorado.



É maravilhosa a poesia!

Com ela se pode imprimir,

Com enorme harmonia

O que se quer transmitir.



É uma arte com beleza

A escrita da poesia

E, com toda a certeza

Um valor do dia-a-dia.


A ÁGUA

A água bem merece

Um dia mundial.

Pois, ninguém esquece

A utilidade primordial.



Sem água não se vive,

Bebê-la é fundamental.

Com ela todos sentimos

Um prazer sem igual.



A água própria para beber

É incolor, insípida e inodora.

Para ter saúde, na vida

É lembrado a toda a hora.



Com água se faz comida,

Lava-se o corpo e o chão

E, sempre com grande lida

Também se faz o pão.



As plantas devem absorvê-la,

Os animais de forma igual.

Os seres vivos precisam bebê-la

Para não passarem mal.



A água deve ser poupada,

Pois é um bem essencial.

Se não houver reservas,

Vamos passar muito mal.





POEMA DE NATAL


Natal!

Há magia no ar!

tocam os sinos

cantam-se hinos de louvor

pois nasceu o Salvador!

que nos doa todo o amor

com grande fervor!

Alegremo-nos, então

com todo o coração

e muita devoção!


Natal!

tempo de darmos as mãos,

a todos como irmãos

como o Deus - Menino pretende

e a todos nós atende!

Façamos-lhe a vontade

e com toda a solidariedade


amemo-nos com carinho

neste nosso caminho.


Natal!

Que as famílias reunidas

sejam sempre unidas!

Que as lembranças

de todas as crianças

sejam dadas com amor

e seja dado louvor

a Nosso Senhor

e Nosso Criador!


Gracinda Tavares Dias


LEITURAS


Uma prova de o próximo amar

é doar tempo para animar.

Lendo histórias interessantes

Como lhe faziam dantes

ou fazendo trabalhos lindos

com todos os carinhos

para eles se sentirem bem

ao serem úteis também.



Com eles podemos aprender

as suas histórias de encantar

que jamais irão esquecer

na alegria de partilhar.

ALGUMAS POESIAS DO MEU LIVRO, ONLINE

AUTOBIOGRAFIA TODA EM POESIA
E OUTRAS POESIAS DE
Gracinda Tavares Dias
 
 
Existindo quatro rapazes

Da família Tavares Dias,

Em Chaveira, Mação,

Nasceu a única menina

E veio ainda outro irmão.



Chama-se Gracinda

A menina referida.

Nasceu em 07/08/43,

Nessa data querida.



Seu pai era Luís Dias

Nascido no Carvalhal

E com M.ª dos Prazeres Tavares

Formavam um lindo casal.



Fez todo o ensino primário,

Como uma alegre canção,

Tendo sempre como professora

A conhecida Menina Conceição.



Esta professora querida

Mora em Cardigos/Mação.

É já de avançada idade

Mas com muita animação.



Foi uma bela professora,

Disso não podemos duvidar

O ensino era atraente

E, fazia tudo para nos agradar.



Fazíamos interessantes festas

Sob a sua orientação,

Não se poupando a trabalho

E sempre com motivação.



Tínhamos estudo orientado,

Na casa onde vivia

Para uma boa preparação

E aplicação no dia -a -dia.



Fui sua colega professora

E encontramo-nos por todo o lado.

Estamos as duas aposentadas

E juntas no Voluntariado.



Este belo voluntariado

É na Misericórdia de Cardigos,

Onde oito senhoras aposentadas

Apoiam os bons amigos.


ALUNA NO EXTERNATO

D. PEDRO V, MAÇÃO



Fiz o antigo 5º. Ano,

No colégio de Mação,

Onde passei tempo difícil

Mas era para a formação.



Passei também belos tempos,

Nas minhas horas de lazer,

Tendo boas amigas

Que me ajudaram a viver.



Em 2 007, no almoço convívio

Dos antigos alunos de Mação,

Pude reviver o passado

E sentir a bela união.


Após este período,

Na linda cidade de Portalegre,

Ingressei na Escola do Magistério

Onde me senti muito alegre.



Em 1965, saí professora

E, a Moçambique fui parar,

Onde viviam três irmãos

E, eu, na escola ia ensinar.


Andei por Mossuril, Nampula,

Lacerdónia e Beira

E regressei em 1976

De Vila Nova da Fronteira.



Casei na Beira, Moçambique

E tive uma filha para embalar.

O pai é Virgílio Farinha Augusto

E, a Cristina deu-nos

Três netos de encantar.



Exerci em Moita Ricome

Um ano da minha profissão,

Seguindo para Vilar Formoso,

Onde trabalhei com dedicação.



Também aí fiz o 12.º ano

O que deu imenso jeito

Para ingressar na Universidade

Tendo nove cadeiras de Direito.


Durante cinco anos,

Após a minha aposentação,

Frequentei pintura, em Espanha

O que me deu satisfação.



Desta Escola fui para outra

Que se situa em Mação.

É patrocinada pelo Município,

Com bastante animação.

 
Dinamizo o grupo de artesanato,

Na antiga escola da Chaveira.

E, nos convívios das 4.ªs feiras,

Surge trabalho e brincadeira.


VOLUNTARIADO EM CARDIGOS

Junto de alguns idosos

E, nos três lares da freguesia,

Fiz pesquisas variadas

E com enorme alegria.



Sei que lhes levei conforto

E alegria de viver,

Ao transmitirem os conhecimentos

No encanto de reviver..



Eram tempos bem difíceis

Os que tiveram de suportar,

Sendo, agora bem melhor

Como se pode comprovar..



Maria do Carmo Fouto

Pediu-me que a sua oração

Não morresse com ela,

E, a transmitisse de mão em mão


Utente da Misericórdia
 
E, já de avançada idade,

Faleceu a referida Senhora,

Deixando bastantes saudades



Dizia para mim:


Quem a trouxe para cá?

Quem foi o Deus?

Sinto uma imensa pena,

De quando nos diz adeus.



Se não fosse professora,

Errava a vocação.

Distrai-nos sempre,

Mandando ler a lição.


SER VOLUNTÁRIA


Ser voluntária da Misericórdia de Cardigos

É mais uma das minhas vocações.

Fui convidada para esse trabalho

E, estamos juntos nas mesmas orações.



Levar alegria e conforto aos idosos

É uma missão bem importante,

Pois mantê-los ocupados

É para todos gratificante.



Gosto de apoiar e conversar

Com os utentes da Misericórdia.

Sinto-me bem junto deles

E desejo sempre a concórdia.



As pesquisas realizadas

Deram-me imenso prazer.

Gosto que se sintam bem,

Na alegria de viver.


ESCOLA DE PINTURA

Frequentar uma Escola de Pintura

Depois da minha aposentação,

É coisa que muito gosto

E me dá satisfação.



Os quadros a óleo

É o que gosto de pintar

Mas, aplico outras técnicas

Para me poder atualizar.



Gosto de aprender para ensinar

E, é bom conviver também.

É, nesta troca de saberes

Que se pode ir mais além.



Frequentámos outros cursos

De artesanato e artes aplicadas

E ainda outras técnicas

Que nos deixaram encantadas.



Na antiga Escola da Chaveira,

Pode-se aplicar e desenvolver

Os trabalhos apreendidos,

Nas nossas horas de lazer.


POESIAS DA AUTORIA DE GRACINDA TAVARES DIAS

E OUTRAS QUE ME FORAM DEDICADAS



POESIA DOS MEUS IRMÃOS PARA O MEU LIVRO DE CURSO EM 1965


A nossa querida mana

Nós queremos felicitar,

Sentindo grande alegria

Por ela o seu curso terminar.



É bela e muito nobre,

A missão de Educadora.

Sabe amar as criancinhas

E, sê sempre trabalhadora!



À nova professora,

Os Parabéns vimos dar,

Estando já ansiosos

Por a podermos abraçar.



Dos teus manos:

João, Domingos, Alfredo,

Daniel e Mário


UMA COLEGA E AMIGA DO MAGISTÉRIO FEZ-ME UMA POESIA, COMEÇANDO PELAS LETRAS DO MEU NOME.


Grande amiga dos pequenos,

Ralhar?...Não é com ela…

Alguém a viu com humor a menos?

Casar?...Ainda não pensa ela…

Irás para o Ultramar…

Não nos irás esquecer…

Distantes…sim…por este verde mar

Alegria porém, até morrer…



Com a amizade da colega

ZAU



MAIS UM POEMA PARA

O MEU LIVRO DE CURSO



Para uns versos te fazer

Só metendo um requerimento!

Sou beatle no teu dizer

É grande o descaramento.



Na cabeça só o cabelo cresce

Ao ouvido só o telefone soa

E, assim o amor renasce,

No Carnaval à toa.



Do sucesso alcançado

Será grata a recordação.

Manas ficamos sendo,

Gravadas no coração.



E, já de lunetas no nariz

Com os cabelos já brancos,

Lembrar-te-ás, com saudade

Dos nossos verdes anos.



E, ao terminares o curso

Se resolveres abalar

Para essas terras longínquas

Que são também Portugal,

Nunca esqueças o Ringo

Que de longe,

mas bem perto do coração

Te desejará Felicidades

Na tua nobre missão.

De:
Ana Maria Valente Caixado


O 1º Poema que eu fiz foi dedicado a esta colega em 1965, em Portalegre.

Para:

Ana Maria Valente Caixado (Nisa )


É com grande alegria

Que uns versos te vou fazer,

Mesmo sem ser poetisa

Alguma coisa irei dizer.



És simpática a valer

E muito trabalhadora,

Acredita que vais ser

Uma excelente professora.



Que vais ser boa professora,

Ninguém pode duvidar,

Pois tens todas as qualidades

Para na vida triunfar.



As nossas brincadeiras

Em nós ficarão gravadas,

Pois elas são bem dignas

De eternamente serem

recordadas.



Ser xerife é um encanto

Mas, para autógrafos

não há caderno,

Pois não vês que ser Beatle

É moderno, é moderno!...



Telefonemas, cinema e lanches

Eu estou, agora a recordar

E, espero mesmo depois de velhas,

Tudo isto à memória nos voltar.



Na hora triste da despedida

Paira nos corações a saudade.

Tu vais partir para a vida

E, eu só posso desejar-te Felicidade.



Felicidades sem par

Na tua nobre missão

É o que te deseja uma amiga

Que te dá um xi-coração.



1988, em Vilar Formoso



OS DIREITOS DA CRIANÇA



I

Nós, as crianças

Queremos brincar,

Fazer as nossas danças

E os outros amar.



II

Queremos ser crianças,

Viver e ser adultos

E nunca estarmos,

Em lugares ocultos.



Coro



As crianças do Mundo

Não querem mais guerra.

Querem respirar fundo,

Nesta bendita Terra.

Não querem mais terror,

Nem mentira, ou medo.

O que querem é amor

E ter o seu brinquedo.



III

As nossas brincadeiras,

Nós nunca dispensamos.

Sempre boas maneiras

É o que desejamos.



IV

Queremos ser respeitadas

E, os outros respeitar

Para sermos amadas

E muito amar.





Esta poesia foi musicada e fez parte de um Festival

da Canção Infantil, em Vilar Formoso,

ficando em 4.º lugar.



O Júri eram as próprias crianças.



Autora da letra:

Gracinda Dias





A BOLA



I

Tenho uma bonita bola

Que o meu pai me quis dar,

Com os amigos da escola,

Gosto muito de jogar.



II

A minha bola salta

Que é mesmo um primor

E a mim nunca me falta

Tratá-la com amor.





Coro



Salta, salta, salta,

Minha bola redondinha.

Salta e também rola

Minha bola tão girinha!

Deixa dar-te um pontapé,

Oh minha bola lisa!

Para mostrar como é,

Que se mete golo na baliza.



III

Deitando a bola ao chão,

Arranjei amigos verdadeiros,

E, com toda a união,

No jogo somos primeiros.



IV

A minha bola de futebol

Dá-me muita alegria.

Com amigos do mesmo rol,

Sou feliz no dia-a-dia.



Esta canção ficou em 3.º lugar no Festival da Canção Infantil, em Vilar Formoso.



Autora da Letra:

Gracinda Tavares Dias





O MEU LÁPIS



I

Quando eu tinha 6 aninhos

E entrei para a escola,

Deram-me um lindo lápis,

Que eu guardava na sacola.



CORO



Ai o meu lápis

De que eu gosto tanto.

Para mim ele foi grátis

E é um encanto.

Assim eu queria

Com ele trabalhar

Para em cada dia

Poder recordar.



II

Gosto de garatujar,

Com o meu lápis amigo.

Só eu sei interpretar

Aquilo que nele digo.



III

Também posso desenhar

Os meus jogos preferidos,

Para os poder mostrar

Aos meus amigos queridos



IV

Com o meu lápis escrevi

Palavras muito importantes

E, com elas entendi

Que já não sou como dantes.



A MÃE



I

Maio é o tempo das rosas

E um mês muito lembrado,

Com palavras tão formosas,

Ele às mães é dedicado.



II

Quero fazer um lindo ramo,

Das flores mais atraentes,

Para mostrar como a amo,

Dar-lho-ei com palavras ardentes.



Coro



Oh! Minha mãe, minha mãe,

Como eu gosto de ti!

Oh! Minha mãe, minha mãe

Não podia viver sem ti.

Quero a tua amizade,

Oh! Minha mãe querida

E, com toda a fraternidade,

No meu coração tens guarida.



III

As mães devem ser amadas

E, com toda a atenção

Merecem ser recordadas

Pelos seus filhos, com afeição.



IV

As mães são um tesouro

Que muito devemos louvar,

Pois no seu coração de ouro,

Há sempre lugar para amar.







VISITA À EXPOSIÇÃO



Gostámos da exposição

E, a brincar aprendemos.

É esta a melhor lição

Que ao vivo nós temos.



A Escola Cultural atraente

É o que as crianças desejam

E, a quem amor por elas sente

Elas, com gratidão, beijam.



Gracinda Dias/Vilar Formoso



2006

Já Voluntária da Santa Casa

da Misericórdia de Cardigos



O NATAL



A 25 de Dezembro

Nasceu o Menino Jesus.

Ele é o próprio Deus

E também do Mundo a Luz.



A Virgem Maria é a mãe,

Nós somos todos irmãos.

Sejamos muito amigos

E demos as nossas mãos.



Vieram pastores adorá-lo

E presenteá-lo também.

Façamos como eles

E pratiquemos o bem.



Vieram do Oriente

Três Reis Magos adorá-Lo.

Com ouro, incenso e mirra

Quiseram homenageá-Lo.



As famílias reunidas

Festejam o Natal

E, também trocam presentes

Nesse dia memorial.



Ajudemos os necessitados

Com muita alegria,

Eles se consolarão

Neste tão lembrado dia.


Que não seja só este dia,

O do amor fraternal.

Mas, que em todos eles,

Haja sempre Natal.



A todos desejamos

Felicidades sem igual.

Que haja paz e alegria

E, a todos um Bom Natal.


A 1.ª e última quadra foram cantadas e tocadas pela Escola de Música de Cardigos, no Lar de Idosos, na Festa de Natal de 2006