terça-feira, 29 de maio de 2012

FESTA DOS TABULEIROS COM FOGAÇAS


Estes dois lindos tabuleiros com fogaças ( bolos fintos ) fizeram parte da procissão da festa do Divino Espírito Santo, em 27 de Maio de 2012, na Freguesia de Cardigos, Concelho de Mação e Distrito de Santarém.
Seguindo a tradição desta festa, as senhoras e jovens levam à cabeça uma rodilha artesanal para carregar o tabuleiro com grandes bolos, em forma de ferradura. A cor predominante é o Vermelho, de acordo com a imagem do Espírito Santo. Vestem-se de branco com uma faixa vermelha e exibem lindas toalhas de rendas, bordados, bainhas abertas e franjas de macramé.
A procissão começa na Capela do Espírito Santo e vai até à Igreja Matriz, onde se celebra a Eucaristia, seguindo novamente a procissão do Divino Espírito Santo, de regresso à sua Capela. Aí tiram os tabuleiros da cabeça e põem para uma carrinha que os transporta para o recinto da festa, na Associação dos Galitos de Cardigos, onde são leiloados, revertendo o dinheiro para a Igreja.
Estas tradições deveriam sempre ser preservadas a bem da cultura.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

TRADIÇÃO DO DIA DA ESPIGA

O Dia da espiga ou Quinta-feira da espiga é celebrado no dia da Quinta-feira da Ascensão com um passeio matinal, em que se colhe espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. Segundo a tradição o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.
As várias plantas que compõem a espiga têm um valor simbólico profano e um valor religioso.
Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.
O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.
A simbologia por detrás das plantas que formam o ramo de espiga:
  • Espiga – pão;
  • Malmequer – ouro e prata;
  • Papoila – amor e vida;
  • Oliveira – azeite e paz; luz;
  • Videira – vinho e alegria e
  • Alecrim – saúde e força.

tradição da espiga





quarta-feira, 9 de maio de 2012

POEMA À UNIÃO DE UM GRUPO DE ARTES EM VOLUNTARIADO


As amigas do grupo de artes
da Escola da Chaveira
Continuam entusiasmadas,
No trabalho bem concentradas
e, assim desta maneira
Mantém-se muito unidas
Nas quartas feiras
Sempre reunidas
Sendo, deste modo, as primeiras
A reconhecer o valor
Deste trabalho de partilha
Dedicado com amor
Como de mãe para filha.
O lanche em harmonia
A ginástica em movimento
Dar graças na nossa oração
Por esta bela união
Neste nosso belo dia
de tão alegre momento.
de pura solidariedade
Cheio de muita amizade.