quarta-feira, 31 de outubro de 2012

HISTÓRIA DO HALLOWEEN

HISTÓRIA

A origem do halloween remonta às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com marcadas diferenças em relação às atuais abóboras ou da famosa frase "Gostosuras ou travessuras", exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração. Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim do verão (samhain significa literalmente "fim do verão").
A celebração do Halloween tem duas origens que no transcurso da História foram se misturando:

Origem Pagã

A origem pagã tem a ver com a celebração celta chamada Samhain, que tinha como objetivo dar culto aos mortos. A invasão das Ilhas Britânicas pelos Romanos (46 A.C.) acabou mesclando a cultura latina com a celta, sendo que esta última acabou minguando com o tempo. Em fins do século II, com a evangelização desses territórios, a religião dos Celtas, chamada druidismo, já tinha desaparecido na maioria das comunidades. Pouco sabemos sobre a religião dos druidas, pois não se escreveu nada sobre ela: tudo era transmitido oralmente de geração para geração. Sabe-se que as festividades do Samhain eram celebradas muito possivelmente entre os dias 5 e 7 de novembro (a meio caminho entre o equinócio de verão e o solstício de inverno). Eram precedidas por uma série de festejos que duravam uma semana, e davam ao ano novo celta. A "festa dos mortos" era uma das suas datas mais importantes, pois celebrava o que para os cristãos seriam "o céu e a terra" (conceitos que só chegaram com o cristianismo). Para os celtas, o lugar dos mortos era um lugar de felicidade perfeita, onde não haveria fome nem dor. A festa era celebrada com galinhas presididos pelos sacerdotes druidas, que atuavam como "médiuns" entre as pessoas e os seus antepassados. Dizia-se também que os espíritos dos mortos voltavam nessa data para visitar seus antigos lares e guiar os seus familiares rumo ao outro mundo.

Origem Católica

Desde o século IV a Igreja da Síria consagrava um dia para festejar "Todos os Mártires". Três séculos mais tarde o Papa Bonifácio IV († 615) transformou um templo romano dedicado a todos os deuses (Panteão) num templo cristão e  dedicou-o a "Todos os Santos", a todos os que nos precederam na fé. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente era celebrada no dia 13 de maio, mas o Papa Gregório III († 741) mudou a data para 1º de novembro, que era o dia da dedicação da capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro, em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Gregório IV ordenou que a festa de Todos os Santos fosse celebrada universalmente. Como festa grande, esta também ganhou a sua celebração vespertina ou vigília, que prepara a festa no dia anterior (31 de outubro). Na tradução para o inglês, essa vigília era chamada All Hallow’s Eve (Vigília de Todos os Santos), passando depois pelas formas All Hallowed Eve e "All Hallow Een" até chegar à palavra atual "Halloween".

Atualmente

Se analisarmos o modo como o Halloween é celebrado hoje, veremos que pouco tem a ver com as suas origens: só restou uma alusão aos mortos, mas com um carácter completamente distinto do que tinha ao princípio. Além disso foi sendo pouco a pouco incorporada toda uma série de elementos estranhos tanto à festa de Finados como à de Todos os Santos.
Entre os elementos acrescidos, temos por exemplo o costume dos "disfarces", muito possivelmente nascido na França entre os séculos XIV e XV. Nessa época a Europa foi flagelada pela Peste Negra e a peste bubônica dizimou perto da metade da população do Continente, criando entre os católicos um grande temor e preocupação com a morte. Multiplicaram  - se as Missas na festa dos Fiéis Defuntos e nasceram muitas representações artísticas que recordavam às pessoas a sua própria mortalidade, algumas dessas representações eram conhecidas como danças da morte ou danças macabras.
Alguns fiéis, dotados de um espírito mais burlesco, costumavam adornar na véspera da festa de finados as paredes dos cemitérios com imagens do diabo puxando uma fila de pessoas para a tumba: papas, reis, damas, cavaleiros, monges, camponeses, leprosos, etc. (afinal, a morte não respeita ninguém). Também eram feitas representações cênicas, com pessoas disfarçadas de personalidades famosas e personificando inclusive a morte, à qual todos deveriam chegar.
Possivelmente, a tradição de pedir um doce, sob ameaça de fazer uma travessura (trick or treat, "doce ou travessura"), teve origem na Inglaterra, no período da perseguição protestante contra os católicos (1500-1700). Nesse período, os católicos ingleses foram privados dos seus direitos legais e não podiam exercer nenhum cargo público. Além disso, foram lhes infligidas multas, altos impostos e até mesmo a prisão. Celebrar a missa era passível da pena capital e centenas de sacerdotes foram martirizados. Produto dessa perseguição foi a tentativa de atentado contra o rei protestante Jorge I. O plano, conhecido como Gunpowder Plot ("Conspiração da pólvora"), era fazer explodir o Parlamento, matando o rei, e assim dar início a um levante dos católicos oprimidos. A trama foi descoberta em 5 de novembro de 1605, quando um católico converso chamado Guy Fawkes foi apanhado guardando pólvora na sua casa, tendo sido enforcado logo em seguida. Em pouco tempo a data converteu se numa grande festa na Inglaterra (que perdura até hoje): muitos protestantes a celebravam usando máscaras e visitando as casas dos católicos para exigir deles cerveja e pastéis, dizendo lhes: trick or treat (doce ou travessuras). Mais tarde, a comemoração do dia de Guy Fawkes chegou à América trazida pelos primeiros colonos, que a transferiram para o dia 31 de outubro, unindo a com a festa do Halloween, que havia sido introduzida no país pelos imigrantes irlandeses. Vemos, portanto, que a atual festa do Halloween é produto da mescla de muitas tradições, trazidas pelos colonos no século XVIII para os Estados Unidos e ali integradas de modo peculiar na sua cultura. Muitas delas já foram esquecidas na Europa, onde hoje, por colonização cultural dos Estados Unidos, aparece o Halloween enquanto desaparecem as tradições locais.

Novos elementos do Halloween

A celebração do 31 de Outubro, muito possivelmente em virtude da sua origem como festa dos druidas, vem sendo ultimamente promovida por diversos grupos neo-pagãos, e em alguns casos assume o caráter de celebração ocultista. Hollywood fornece vários filmes, entre os quais se destaca a série Halloween, na qual a violência plástica e os assassinatos acabam por criar no espetador um estado de angústia e ansiedade. Muitos desses filmes, apesar das restrições de exibição, acabam sendo vistos por crianças, gerando nelas o medo e uma idéia errônea da realidade. Porém, não existe ligação dessa festa com o mal. Na celebração atual do Halloween, podemos notar a presença de muitos elementos ligados ao folclore em torno da bruxaria. As fantasias, enfeites e outros itens comercializados por ocasião dessa festa estão repletos de bruxas, gatos pretos, vampiros, fantasmas e monstros, no entanto isso não reflete a realidade pagã.

Nota

A lanterna vegetal chamada de "Jack-o'-lantern" em inglês, em Portugal chama-se coca e no Brasil existe um personagem de folclore chamado Cuca. Em Portugal, a Abóbora do Dia das Bruxas e é uma tradição ancestral.
  • Coca: papão; abóbora vazia (ou panela) com buracos representativos dos olhos e da boca com uma luz dentro, para meter medo, à noite.

domingo, 28 de outubro de 2012

HISTÓRIA DO ARTESANATO

Artesanato de Dilan Cardoso Fernandes, na oitava exposição coletiva de Artes, na Casa da Cultura da Chaveira de Cardigos
As rodilhas pertencem ao PEAC (prjeto da escola de Artes da Chaveira)


Artesanato é o próprio trabalho manual ou produção de um artesão (de artesão + ato). Mas com a mecanização da indústria o artesão é identificado como aquele que produz objetos pertencentes à chamada cultura popular.
O artesanato é tradicionalmente a produção de caráter familiar, na qual o produtor (artesão) possui os meios de produção (sendo o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalha com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento; ou seja, não havendo divisão do trabalho ou especialização para a confecção de algum produto. Em algumas situações o artesão tinha junto a si um ajudante ou aprendiz.

 

História

Os primeiros objetos feitos pelo homem eram artesanais. Isso pode ser identificado no período neolítico (6.000 a.C.) quando o homem aprendeu a polir a pedra, a fabricar a cerâmica como utensílio para armazenar e cozer alimentos, e descobriu a técnica de tecelagem das fibras animais e vegetais. O mesmo pode ser percebido no Brasil no mesmo período. Pesquisas permitiram identificar uma indústria lítica e fabricação de cerâmica por etnias de tradição nordestina que viveram no sudeste do Piauí em 6.000 a.C.

Historicamente, o artesão, responde por todo o processo de transformação da matéria-prima em produto acabado. Mas antes da fase de transformação o artesão é responsável pela seleção da matéria-prima a ser utilizada e pela conceção, ou projeto do produto a ser executado.
A partir do século XIX, o artesanato ficou concentrado então em espaços conhecidos como oficinas, onde um pequeno grupo de aprendizes viviam com o mestre-artesão, detentor de todo o conhecimento técnico. Este oferecia, em troca de mão-de-obra barata e fiel, conhecimento, vestimentas e comida. Criaram-se as Corporações de Ofício, organizações que os mestres de cada cidade ou região formavam a fim de defender seus interesses.

 Revolução Industrial

Com a Revolução Industrial, teóricos do século XIX, como Karl Marx e John Ruskin, e artistas (ver: Romantismo) criticavam a desvalorização do artesanato pela mecanização. Os intelectuais da época consideravam que o artesão tinha uma maior liberdade, por possuir os meios de produção e pelo alto grau de satisfação e identificação com o produto.
Na tentativa de lidar com as contradições da Revolução Industrial, William Morris funda o grupo de Artes e Ofícios na segunda metade do século XIX, tentando valorizar o trabalho artesanal e opondo-se à mecanização.Podemos pensar nos índios como os nossos mais antigos artesãos, já que, quando os portugueses descobriram o Brasil, encontraram aqui a arte da pintura utilizando pigmentos naturais, a cestaria e a cerâmica - sem falar na arte plumária, isto é, cocares, tangas e outras peças de vestuário ou ornamentos feitos com plumas de aves.O artesanato brasileiro é um dos mais ricos do mundo e garante o sustento de muitas famílias e comunidades. O artesanato faz parte do folclore e revela usos, costumes, tradições e características de cada região. Porque ainda as pessoas perdiam mais tempo e tinham menos comida por isso trocavam comida por objectos. A terra era muito fertil mas  quem tinha terras não cultivava!

sábado, 27 de outubro de 2012



VOLUNTARIADO








O voluntariado é o conjunto de ações de interesse social e comunitário em que toda a atividade desempenhada reverte a favor do serviço e do trabalho. É feito sem recebimento de qualquer remuneração ou lucro. É uma profissão de prestígio, visto que o voluntário ajuda quem precisa, contribuindo para um mundo mais justo e mais solidário.
O trabalho voluntário tem- se tornado um importante fator de crescimento das organizações não-governamentais, componentes do Terceiro Setor. É graças a esse tipo de trabalho que muitas ações da sociedade organizada têm suprido o fraco investimento ou a falta de investimento governamental em educação, saúde, lazer, etc.
Atualmente existem diversas organizações que se utilizam do trabalho voluntário de milhares de pessoas, não só no Brasil como em todo o mundo. Bons exemplos de organizações internacionais são: Cruz Vermelha,"Lions Club Internacional", Rotary Internacional, Médicos Sem Fronteiras, AFS Intercultural Programs e o Serviço Voluntário Internacional do Brasil, que tem ramificações em vários países.
O SVI Brasil é o representante no país de um movimento pacifista mundial que desde 1920 promove o intercâmbio de serviços voluntários.
Uma forma de trabalho voluntário com a participação de milhões de pessoas é a computação voluntária, onde indivíduos instalam sistemas em seus computadores pessoais para colaborar em projetos científicos doando capacidade ociosa dos mesmos.
O trabalho voluntário, ao contrário do que pode parecer, é exercido de forma séria e, muitas vezes, necessita de especialização e profissionalismo, já que empresas de toda sorte, como hospitais, clínicas e/ou escolas, por exemplo, precisam do auxílio de profissionais formados em várias áreas.
Em Portugal, o exemplo mais antigo e importante é representado pelas Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários, pilar fundamental do exercício "Vida por Vida".
No Brasil, o Dia Nacional do Voluntariado foi instituído em 28 de agosto de 1985 para reconhecer e destacar a ação das pessoas que doam tempo, mão de obra e talento para causas de interesse social e para o bem da comunidade.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

ANIVERSÁRIO DA ONU




LINDO CAMPO DE PAPOILAS

Hoje assinala-se mais um aniversário da Organização das Nações Unidas (ONU), que nasceu neste dia, a 24 de outubro de 1945. Hoje, o campo de intervenção da ONU atinge todas as áreas humanitárias, no combate aos dramas provocados pelos conflitos militares, a fome, as desigualdades sociais, sempre na defesa dos direitos humanos.
A ONU é uma organização internacional, que tem como primordial objetivo, na atualidade, promover a cooperação no direito internacional, segurança, desenvolvimento económico, progresso social, direitos humanos e paz mundial.
Esta organização foi fundada em 1945, depois da II Guerra Mundial, para substituir a Liga das Nações, numa altura em que o mundo se erguia de um conflito e procurava caminhos para uma paz sólida e duradoira. O objetivo da ONU era, então, evitar mais conflitos entre países e criar plataformas para o diálogo.
Atualmente, 193 países fazem parte desta organização, que agrega quase todos os estados soberanos do mundo. Com agências espalhadas pelo mundo, a ONU promove reuniões regulares, na prossecução dos seus objetivos.
O organigrama da ONU é composto por uma Assembleia Geral (assembleia deliberativa principal), um Conselho de Segurança (que decide resoluções de paz e segurança); o Conselho Económico e Social (para auxiliar na promoção da cooperação internacional e desenvolvimento), o Secretariado (para criação de estudos e recolha de informações) e o Tribunal Internacional de Justiça (órgão judicial).
Tem ainda órgãos complementares, como a Organização Mundial de Saúde, o Programa Alimentar Mundial, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), ou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). É financiada por contribuições voluntárias dos seus estados-membros e tem seis idiomas oficiais: Árabe, Chinês, Inglês, Francês, Russo e Espanhol.
Trata-se da mais importante organização do mundo, que foi alargando as suas margens de ação, cumprindo um papel fundamental no combate às desigualdades sociais e a dramas humanitários que persistem, mais de seis décadas depois do nascimento da ONU, efeméride que se assinala a 24 de outubro.
Também neste dia, em 2003, terminam os voos comerciais com o Concorde e em 2008, dá-se a ‘Sexta-feira negra’, que marca o início da maior crise económica mundial desde a Grande Depressão.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A NATUREZA É ESPETACULAR

A NATUREZA É ESPETACULAR

1- Toda a arte é imitação da Natureza. (Séneca)

2- A Natureza reservou para si tanta liberdade que não a podemos penetrar completamente com o nosso saber e a nossa ciência. (Joham Goethe)

3- Não precisamos entender melhor a Natureza Humana, porque o único perigo real que realmente existe é o próprio homem. (Carl  Jung)

4- O Mestre disse: Por natureza, os homens são próximos; a educação é que os afasta. (Confúcio)

5- É mais fácil mudar a natureza do Plutão do que mudar a natureza maldosa do homem. ( Albert Einstein)

6- Não devemos ter medo de inventar seja o que for. Tudo o que existe em nós existe também na Natureza, pois fazemos parte dela. (Pablo Picasso)

7 - A Natureza é o único livro que oferece um conteúdo valioso em todas as suas folhas. ( Johann Goethe)

8- A sabedoria da Natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil. ( Nicolau Copérnico)

9- Às vezes, ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido. ( Fernando Pessoa)

10- Nunca a Natureza é tão aviltada, como quando  a ignorância supersticiosa tem a arma do poder. ( Voltaire)

11- A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana. ( Charles Darwin)

12- Tudo acontece conforme a Natureza.  ( Hipócrates )

13- A Natureza não faz nada em vão. (Aristóteles)

14- Nunca a Natureza diz uma coisa e a sabedoria outra. ( Juvenal )

15- Nunca subestime a Natureza pois ela sempre faz justiça castigando quem merece. (Rahvok)

16- Cada dia a Natureza produz o suficiente para a nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome. (Mahatm Gandhi)



 

sábado, 20 de outubro de 2012

DIA MUNDIAL DAS MISSÕES, em 21 de Outubro de 2012




MISSIONAR É AMAR

Acolher Deus como Fonte
Inspiradora da vida
Do coração bom e reto,
Que contempla o horizonte
Do Belo e do Correto,
Como poeta ou crente,
É beber da Água viva
Que fecunda e alimenta
Quem quer amar sem medida,
A todos, sem distinção,
E servir gratuitamente,
Por estar bem consciente
De que amar, é ser coerente
Com o querer um mundo irmão,
Não só um dia, mas sempre.

Assim, todo o batizado
Em Cristo, é convidado
A assumir esta missão
De partilha e comunhão,
Encarnando, em sua vida,
O Deus da Libertação,
Revelado em Jesus Cristo,
Que nos trouxe a salvação.

Quem responde a este apelo,
Rompe as barreiras do medo.
Deixa a sua segurança
E agarra-se, confiante,
Ao Deus da eterna Aliança
Que em Cristo nos fez irmãos,
Com direito a partilhar
Da sua mesa abundante
De graça e felicidade,
Na qual Deus quer abraçar,
Cheio de amor e bondade,
Esta pobre humanidade,
No desejo de a salvar.

Missionar é tudo isto:
É ser, hoje, encarnação
Do amor de Jesus Cristo.



 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

VIVER ( REFLEXÃO )

Amigas de um grupo de Voluntariado e Artesanato, convivendo e trabalhando, na Escola de Artes dfa Chaveira de Cardigos
VIVER

Viver é inventar o seu dia. É desconhecer a arrogância. Exalar pura energia! Fazer poemas de amor.

Devolver sorrisos. Acreditar que o bem vence o mal, sempre.

Enfeitar o coração com cores! Conquistar amigos; e ser sempre leal e fiel.

Transformar dor em alegria. Ser amor de coração. Inspirar justiça. Viver é correr atrás dos sonhos, de inspiração, dos projetos.

Procurar o entendimento das coisas. Ser sempre da paz.
Orar em agradecimento das dávidas recebidas.

Amar. Pintar o mundo com as cores que te der na telha. Estar sempre jovem. Viver é ser sempre verdadeiro. É constantemente redescobrir as coisas belas da vida, lembrando que o sorriso é o idioma universal.

Ouvir músicas que acalmem a alma. Desacelerar e aproveitar o tempo, cada pequeno momento de prazer. Lembre-se: o final não existe. Tudo é um eterno recomeço.
VIVER é simplesmente ver a vida com o coração.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

MAGUSTOS



O Magusto é uma festa popular, cujas formas de celebração divergem um pouco consoante as tradições regionais. Grupos de amigos e famílias juntam-se à volta de uma fogueira onde se assam castanhas ou bolotas para comer, bebe-se a jeropiga, água-pé ou vinho novo, fazem-se brincadeiras, as pessoas enfarruscam-se com as cinzas, cantam-se cantigas. O magusto realiza-se em datas festivas: no dia de São Simão, no dia de Todos-os-Santos ou no dia São Martinho. Inúmeras celebrações ocorrem não só por Portugal inteiro mas também na Galiza (onde se chama magosto, em galego) e nas Astúrias.
Na Aldeia Viçosa o "Magusto da Velha" é uma tradição local.
Leite de Vasconcelos considerava o magusto como o vestígio de um antigo sacrifício em honra dos mortos e refere que em Barqueiros era tradição preparar, à meia-noite, uma mesa com castanhas para os mortos da família irem comer; ninguém mais tocava nas castanhas porque se dizia que estavam “babadas dos defuntos”.
A celebração do magusto está associada a uma lenda, a qual dizia que um soldado romano, mais tarde conhecido por Martinho de Tours, ao passar a cavalo por um mendigo quase nu, como não tinha nada para lhe dar, cortou a sua capa ao meio com a sua espada; estava um dia chuvoso e diz-se que, neste preciso momento, parou de chover, derivando daí a expressão: "Verão de São Martinho".

terça-feira, 16 de outubro de 2012

COMENTÁRIOS LINDOS DOS AMIGOS DO FACEBOOK



















COMENTÁRIOS:

Elizabete Lima:  Obrigada , assim que puder exprimento. Fazem bem reunirem-se trocarem e partilharem saberes, sabores e amizades. Assim não há solidão. Beijinhos para vós e também á Etelvina e familia.


Maravilhosas........bem que a Maria Alves Dias me disse.....parabens.
Comentário às minhas pinturas a óleo da nova amiga do Facebook que vive no Brasil e que se chama: Luzia Godoy


F.José Trigo:  Gosto, é a melhor e mais saudável maneira de passar o tempo.
 
Nota: Refere-se ao convivio de artes e lazer do grupo que se junta todas as quartas de tarde, na Casa da Cultura da Chaveira de Cardigos ( Antiga Escola Primária), já há 8 anos.


Sara Maria Martins: eu já lá estou :)smile é muito bom estarmos na Chaveira porque assim podemos gastar bem o nosso tempo de tarde.

Abel Dias. escreveu:

Boa noite a todo o grupo .
Estive com a minha esposa na escola da Chaveira a ver a exposição de trabalhos manuais feitos com muito gosto e perfeição.
PARABÉNS a todas as senhoras que contribuem com estes trabalhos para que possam ser admirados por todos .
Recomendo a todos as pessoas que tenham oportunidade, para visitar esta exposição que tem o contributo especial de Gracinda Tavares Dias
.
 
I
sabel Oliveira:   No dia 8 de Agosto fui com a minha familia à escola de artes da chaveira e fiquei fascinada com a dedicação daquelas senhoras! Lindos trabalhos! Era lindo vê-las entrar com as cestinhas na mão com os seus lindos trabalhos! Muitos parabéns a todas as senhoras.



  • Gracinda Tavares Dias Muito obrigada, Dona Isabel e família. São estas apreciações do nosso trabalho e lazer que nos incentivam a ir em frente, sem desanimar. No dia 24 de Outubro de 2012 é já o oitavo aniversário deste belo grupo, que se mantém unido e ainda com novas senhoras a quererem frequentá-lo. Temos quem tivesse desistido e entrado, novamente. Apareçam sempre que puderem, serão sempre bem-vindos.
     

Maria Fernanda Granja Lobato: Gracinda, cada vez mais admiro a tua dedicação e empenho no apoio e dedicação que dás ao artesanato e ao voluntariado. São 2 coisas que tb gosto muito, dedico 3 h semanais ao voluntariado no ensino de arraiolos, bordado livre em juta e bordado de cas...Ver mais
 

  • Maria Fernanda Granja Lobato Parabens pelo que fazes e pela pessoa que és, um beijinho

  • Fãs de Voluntariado e Artesanato Parabéns também para ti, amiga Fernanda, por fazeres tanto bem aos outros e por seres tão especial. Beijos e alegria.
  •  
  • Mafalda Sousa comentou a foto de Fãs de Voluntariado e Artesanato: "Já sabemos de quem herdaram o talento :)




  • O MEU BEM-HAJA A TODOS OS AMIGOS

    Gracinda Tavares Dias



     

    DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

    DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO

    16 de Outubro é o Dia Mundial da Alimentação.
    Esta comemoração, que teve início em 1981, é na atualidade celebrada em mais de 150 países como uma importante data para consciencializar a opinião pública sobre as questões da nutrição e alimentação.
    A Roda dos Alimentos é uma representação gráfica criada em Portugal em 1977, no âmbito da Campanha de Educação Alimentar "Saber comer é saber viver", que ajuda a escolher e combinar os alimentos que deverão fazer parte da alimentação diária.
    É um símbolo em forma de círculo que se divide em segmentos de diferentes tamanhos que se designam por Grupos e que reúnem alimentos com propriedades nutricionais semelhantes. Mas, em muitos outros países a roda dá lugar à pirâmide dos alimentos, que na opinião dos especialistas nacionais não representa aquilo que deve ser uma alimentação saudável, ou seja, completa, equilibrada e variada. É que a pirâmide hierarquiza os alimentos, dando assim mais importância a uns que a outros. E isto não está correcto, pois deve-se dar igual importância a todos os alimentos.
    A evolução dos conhecimentos científicos e as diversas alterações na situação alimentar portuguesa conduziram à necessidade da sua reestruturação. A nova Roda dos Alimentos agora apresentada mantém o seu formato original, pois este é já facilmente identificado e associa-se ao prato vulgarmente utilizado. Foram ainda objectivos desta reestruturação a promoção dos valores culturais e sociais dos portugueses ao promoverem-se produtos tradicionais como o pão, o azeite ou as hortícolas. Além disso, foram considerados objectivos pedagógicos e nutricionais. A nova versão subdivide alguns dos anteriores grupos e estabelece porções diárias equivalentes, para além de incluir a água no centro desta nova representação gráfica.

     

     Constituição

    A nova Roda dos Alimentos é composta por 7 grupos de alimentos de diferentes dimensões, os quais indicam a proporção de peso com que cada um deles deve estar presente na alimentação diária: - Cereais e derivados, tubérculos – 28% - Hortícolas – 23% - Fruta – 20% - Lacticínios – 18% - Carnes, pescado e ovos – 5% - Leguminosas – 4% - Gorduras e óleos – 2%
    Esta data assinala ainda a fundação da (FAO). Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.
    Os temas mais recentes foram:
    • 2000 - O Milénio sem Fome
    • 2001 - Combater a Fome para Reduzir a Pobreza
    • 2002 - Água: Fonte de Segurança Alimentar
    • 2003 - Trabalhar em Conjunto por uma Aliança Internacional contra a Fome
    • 2004 - Biodiversidade para a Segurança Alimentar
    • 2005 - Agricultura e Diálogo Inter Cultural







    segunda-feira, 15 de outubro de 2012

    FELIZ DIA DO PROFESSOR





    5 de Outubro de 2012

    Hoje é dia de agradecer aos professores



    O Dia Mundial do Pro­fes­sor, que se cel­e­bra anual­mente no dia 5 de Out­ubro, pre­tende mobi­lizar o apoio aos pro­fes­sores, garan­ti­ndo que eles con­tin­uarão a acudir às neces­si­dades das ger­ações futuras. Esta efeméride assinala-se, desde 1994, por ini­cia­tiva da UNESCO, o organ­ismo das Nações Unidas para a edu­cação, a ciên­cia e a cul­tura. É justo.

    sábado, 13 de outubro de 2012

    A ALDEIA MAIS TÍPICA DE PORTUGAL




    

    Casa típica de Piódão
    (foto da autoria de Gracinda Tavares Dias)
    Piódão é uma freguesia portuguesa do concelho de Arganil, com 36,36 km² de área e 178 habitantes (2011). Densidade: 4,9 hab/km². A freguesia inclui as seguintes aldeias e quintas: Piódão, Malhada Chã, Chãs d'Égua, Tojo, Fórnea, Foz d`Égua, Barreiros, Covita, Torno, Casal Cimeiro e Casal Fundeiro.
    A aldeia, de Piódão, situa-se numa encosta da Serra do Açor. As habitações possuem as tradicionais paredes de xisto, tecto coberto com lajes e portas e janelas de madeira pintada de azul. O aspecto que a luz artificial lhe confere, durante a noite, conjugado pela disposição das casas fez com que recebesse a denominação de “Aldeia Presépio”. Os habitantes dedicam-se, sobretudo, à agricultura (milho, batata, feijão, vinha), à criação de gado (ovelhas e cabras) e em alguns casos à apicultura.
    A flora é em grande parte constituída por castanheiros, oliveiras, pinheiros, urzes e giestas. A fauna compõe-se, sobretudo, de coelhos, lebres, javalis, raposas, doninhas, fuinhas, águias, açores, corvos, gaios, perdizes e pequenos roedores.
    Actualmente, a desertificação das zonas do interior, afecta praticamente todas as povoações desta freguesia. As populações mais jovens emigraram para o estrangeiro ou para as zonas litorais à procura de melhores condições de vida, regressam às suas origens, sobretudo, durante as épocas festivas para reviver o passado e se reencontrarem com os seus congéneres.

    Património

    NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DE FÁTIMA, 2012



    Terço artesanal de parede

    Material: tronquinhos de sobreiro e arame encadeado

    Técnica: Unir as várias peças, formando dezenas e glórias com o intervalo

    Autor da linda peça final: Dilan Cardoso Fernandes

    15 anos

    PROENÇA-A-NOVA, CASTELO BRANCO


    Em exposição na Escola de Artes da Chaveira de Cardigos, Mação, Santarém




    NOSSA SENHORA DE FÁTIMA



    Em 13 de Outubro de 2012


    Aparição do adeus de Nossa Senhora de Fátima aos pastorinhos:

    Lúcia


    Jacinta e



    Francisco
     

     

     

     



     
    NOSSA SENHORA DE FÁTIMA









    Virgen de Fátima.JPG
    A imagem de Nossa Senhora na Capelinha das Aparições em Fátima.
    Nossa Senhora do Rosário de Fátima
    Instituição da festa1946[1]
    Venerada pelaIgreja Católica
    Principal igrejaSantuário de Fátima
    Festa litúrgica13 de maio
    AtribuiçõesAparições de Fátima
    Nossa Senhora de Fátima (ou Nossa Senhora do Rosário de Fátima) é uma das designações atribuídas à Virgem Maria que, segundo os relatos da época e da Igreja Católica, apareceu repetidamente a três pastores, crianças na altura das aparições, no lugar de Fátima, tendo a primeira aparição acontecido no dia 13 de Maio de 1917. Estas aparições continuaram durante seis meses seguidos, sempre no mesmo dia (exceptuando em Agosto). A aparição é associada também a Nossa Senhora do Rosário, sendo portanto aceito a combinação dos dois nomes - dando origem a "Nossa Senhora do Rosário de Fátima" - pois, segundo os relatos, "Nossa Senhora do Rosário" teria sido o nome pelo qual a Virgem Maria se haveria identificado, dado que a mensagem que trazia consigo era um pedido de oração, nomeadamente, a oração do Santo Rosário.
    Fecha o ciclo de aparições iniciado em Paris, como Nossa Senhora das Graças, sucedida pela aparição em La Salette e Lourdes.

    quarta-feira, 3 de outubro de 2012

    PENSAMENTOS SOBRE ALEGRIAS

    ALEGRIAS
     
    1 -A amizade duplica as alegrias e divide as tristezas.
     
    2 -A verdadeira felicidade está na própria casa, entre as alegrias da família.
     
    3 - Evitamos a inveja se guardarmos as alegrias para nós próprios.
     
    4 - As alegrias do amor são sempre proporcionais ao medo de as perdermos.
     
    5 - Só temos alegrias se as repartirmos: a felicidade nasceu gémea.
     
    6 - A compreensão de outrém somente progredirá com a partilha de alegrias e sofrimentos.
     
    7 - Muitas pessoas perdem as pequenas alegrias enquanto aguardam a grande felicidade.
     
    8 - O autêntico, o verdadeiro grande talento descobre as suas maiores alegrias na realização.
     
    9 - É bom escrever porque reúne as duas alegrias: falar sozinho e falar a uma multidão.
     
    10 - As alegrias e risadas podem até ser passageiras, mas as marcas que elas deixam, podem durar a vida inteira.
     
    11 - A felicidade chega quando acreditamos, sem vacilar, que o Pai está a desenhar alegrias novas no caderno das nossas vidas.
     
    12 - Somam-se as tristezas, dividem-se as alegrias, multiplica-se o amor, e subtrai-se o que for preciso, para que o resultado, seja a vida plena.