sábado, 30 de março de 2013

LENDA DO FOLAR DA PÁSCOA


 
Violetas que os afilhados davam às madrinhas no Domingo de Ramos e elas davam o folar no Domingo de Páscoa
 
 LENDA DO FOLAR DA PÁSCOA
 

Segundo a lenda, uma rapariga, de seu nome Mariana, que pretendia casar cedo rezou fervorosamente a Santa Catarina para que lhe concedesse a realização desse seu desejo. A santa ouviu-a e fez-lhe chegar dois pretendentes. Ambos eram jovens e atraentes, mas um era um fidalgo rico e o outro, um lavrador pobre. Tornou, por isso, a jovem a rezar a Santa Catarina, pedindo-lhe que a ajudasse a fazer a escolha certa. Enquanto rezava, apareceu-lhe à porta o lavrador pobre a pedir-lhe uma resposta até ao Domingo de Ramos que estava já próxima. Pouco depois, surgiu o fidalgo rico com idêntico pedido.
Chegado o Domingo de Ramos, veio uma vizinha avisar a jovem de que ambos os pretendentes se tinham encontrado a caminho de sua casa e, tomando-se de razões, começaram a lutar violentamente. A jovem acorreu ao sítio onde ambos se engalfinhavam e, depois de pedir o auxílio da santa, exclamou “Amaro”, o nome do lavrador pobre, fazendo recair a escolha sobre ele e aprazando-se o casamento para o domingo de Páscoa.
Andava a jovem atormentada, porque a avisaram que o fidalgo jurara aparecer no dia do casamento para matar o noivo. Por isso, na véspera do Domingo de Páscoa, tornou a rezar a Santa Catarina, que lhe apareceu a sorrir, apaziguando-a. Em ação de graças, no Domingo, foi à igreja pôr um ramo de flores no altar da santa. Ao regressar a casa, viu em cima da mesa um grande bolo, com ovos inteiros ao centro e enfeitado com as flores que ela ofertara à santa. Entretanto, também Amaro recebera um bolo idêntico. Pensaram que teria sido oferta do fidalgo e foram agradecer-lhe. Porém, também este tinha recebido um bolo semelhante. Concluíram que era um prodígio de Santa Catarina, com o objetivo de os apaziguar e trazer a concórdia num dia que devia ser de felicidade.
Dado que era enfeitado com flores, inicialmente, o bolo chamava-se “folore”, devido às flores que o adornavam, passando com o tempo a chamar-se folar e mantendo a tradicional simbologia de sinal de reconciliação. Por altura da Páscoa, era costume, o afilhado levar um ramo de violetas à madrinha de batismo que, em troca, lhe oferecia um folar.

Transmitida por utentes da Misericórdia de Cardigos

 

sexta-feira, 29 de março de 2013

RECEITA DE UM FOLAR PASCAL

 RECEITA DE UM FOLAR PASCAL


2 ovos cozidos.
  • 7 ovos caseiros.
  • 50gr de fermento de padeiro.
  • 150 ml de leite morno.
  • 750 gr de farinha.
  • Metade de um pacote de margarina (125 gr) cortada em pedaços.
  • 200gr de açúcar amarelo.
  • Canela em pó q.b
  • Erva doce q.b
  • Umas gotinhas de essência de baunilha.
  • 1 ovo para pincelar.
  • 4 colheres de sopa de mel.
  • 1 pitada de sal grosso.


  • Junte a farinha com o fermento dissolvido no leite. Amasse bem e deixe a massa levedar até duplicar de tamanho. À parte junte o açúcar com o mel e a manteiga, junte esta mistura à massa. Vá adicionando um ovo de cada vez e amasse, outro ovo e amasse. Junte o sal, a canela, a erva doce, a essência de baunilha. Amasse de fora para dentro insistentemente e batendo com a massa com força. Depois de estar bem amassada, desenhe uma cruz na massa e deixe a massa descansar novamente, para levedar, tape com um pano, para aumentar de volume, fica a levedar durante hora e meia. Depois retira uma pequena quantidade de massa e faz  quatro tiras de massa, reserve. Faça duas bolas com a restante massa e achata-as. Coloca um ovo no centro de cada bola , cobre-os com as tiras de massa que reservou. Deixa descansar mais um quarto de hora. Pincele os folares com o ovo batido. Unte um tabuleiro com margarina e polvilhe com farinha. Ponha os folares no tabuleiro. Leve ao forno a 180º, durante cerca de 40 minutos. Depois de prontos, pincele-os com mel derretido

    POEMA NA PÁSCOA DE 2013

    Trabalho coletivo de utentes, animadoras e voluntárias da Santa Casa da Misericórdia de Cardigos


    POEMA DE PÁSCOA


    Mais uma festa a comemorar
    e que devemos adorar
    num memorável  e grande dia,
    em que Jesus ressuscitou
    dando-nos imensa alegria
     o Senhor, que muito nos amou!
     
     
    É tempo de solidariadade,
    De darmos as mãos,
    num abraço de lealdade,
    como verdadeiros irmãos.
     

    É tempo de perdoar
    de se reconciliar
    de agradecer
    e de nunca esquecer
    o sofrimento do Senhor
    com todo o amor.
     
    É tempo de pedir perdão
    de vivermos em união
    de praticar mais caridade
    mais amor e bondade.
     
     
    Gracinda Tavares Dias
     
    Que esta Páscoa de 2013, seja feliz para todos!

    quinta-feira, 28 de março de 2013

    A TRADIÇÃO DO COZER DO PÃO


     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
     
    Título: o pão
     
     
    óleo sobre tela de Gracinda tavares Dias
                                  espigas de milho para pão
     
     
    O COZER DO PÃO

     

    Nos vários fornos da aldeia,

    Toda a gente cozia o pão.

    Quem não tinha o forno, pedia

    Entendendo-se, com união.

     

    As mulheres é que se encarregavam

    Da  cozedura do pão, desta maneira:

    Misturavam à farinha, água, sal e fermento,

    Dando socos a esta mistura, numa masseira.

     

    Cozia-se muito pão de milho, broa

    Por este cereal ser mais cultivado.

    A quantidade era de quinze a vinte pães,                   

    Como maior ou menor fosse o agregado.                                  

     

    Isto dava para uma ou duas semanas

    E, se entretanto, o pão acabasse

    Pediam um ou dois aos vizinhos. 

    E, devolviam a quem lhos emprestasse.

     

    O forno era, normalmente aquecido

    Com ramos de estevas ou pinheiro 

    Logo que estivesse boa a temperatura

    Teriam de limpar a cinza primeiro.

     

    Para separar as cascas do grão

    A farinha, sempre peneiravam

    E, o farelo era misturado na comida

    Que aos porcos e galinhas davam.

     

    MULHER MODERNA



    Transmitido por:
    Elvira de Jesus
    Utente da Misericórdia de Cardigos


    MULHER MODERNA

     

    Como os homens são ternos!

    E, nesses lares modernos,

    A mulher é quem costuma lá mandar.

    Ele é um pau mandado,

    Eu vou-lhe já mostrar,

    Como é bela esta vida de casado.

    Se vocês vissem

    O marido da vizinha,

    Lava a louça,

    Trata a casa

    E também cuida da cozinha!

     

    Quem foi que disse

    Que a mulher é coisa fraca?

    Ai é, pois sim,

    Isso era dantes!

    Mas há coisas mais modernas.

    Eu, agora coso as meias

    E ela faz a barba às pernas.

    Como tudo isto mudou

    E a mulher se transformou!

    Ela agora vai para a rua,

    Tem emprego!

    Ele fica em casa,

    Qual borrego!

    A fazer o que ela dantes lá fazia.

     

    sexta-feira, 22 de março de 2013

    PÁSCOA

    lindo arranjo floral para enfeitar as casas na Páscoa

    Páscoa (do hebraico Pessach, significando passagem  é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação, que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 dC. A Páscoa pode cair em uma data, entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canónico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.

     

    Origem do nome

    Os eventos da Páscoa teriam ocorrido durante o Pesah, data em que os judeus comemoram a libertação e fuga de seu povo escravizado no Egito.
    A palavra Páscoa advém, exatamente do nome em hebraico da festa judaica à qual a Páscoa cristã está intimamente ligada, não só pelo sentido simbólico de “passagem”, comum às celebrações pagãs (passagem do inverno para a primavera) e judaicas (da escravatura no Egito para a liberdade na Terra prometida).
    No português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa origina-se do hebraico Pesah.

     Páscoa Cristã

    A Páscoa cristã celebra a Ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, o seu corpo foi colocado num sepulcro, onde  permaneceu por três dias, até à sua ressurreição. É o dia santo mais importante da religião cristã. Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. Outros vêm da celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica, que é uma das mais importantes festas do calendário judaico, celebrada por 8 dias e onde é comemorado o êxodo dos israelitas do Egito, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.
    A última ceia partilhada por Jesus Cristo e seus discípulos é narrada nos Evangelhos e é considerada, geralmente, um “sêder do pesach” – a refeição ritual que acompanha a festividade judaica, se nos ativermos à cronologia proposta pelos Evangelhos sinópticos. O Evangelho de João propõe uma cronologia distinta, ao situar a morte de Cristo por altura da hecatombe dos cordeiros do Pessach. Assim, a última ceia teria ocorrido um pouco antes desta mesma festividade.
    A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. De fato, para entender o significado da Páscoa cristã atual, é necessário voltar para a Idade Média e lembrar os antigos povos pagãos europeus que, nesta época do ano, homenageavam Ostera, ou Esther – em inglês, Easter quer dizer Páscoa. Ostera (ou Ostara) é a deusa da Primavera, que segura um ovo em sua mão e observa um coelho, símbolo da fertilidade, pulando alegremente em redor de seus pés nus. A deusa e o ovo que carrega são símbolos da chegada de uma nova vida. Ostara equivale, na mitologia grega, a Deméter. Na mitologia romana, é Ceres.

    A MOURA ENCANTADA


     
    malmequeres de Gracinda Tavares Dias
     
     
    A  MOURA  ENCANTADA

     

    Em Azinhalete existe uma fonte

    dentro de uma abóbada,

    em que para ir buscar água,

    as pessoas

    têm de descer umas escadinhas.

    Dizia-se que em tempos

    vivia ali uma linda moira,

    que uma ou outra vez

     era vista a pentear

    os seus longos cabelos loiros

    com um pente de ouro.

     

    Certo dia, um senhor

    que por ali passava,

    resolveu descer à fonte

     para beber água.

     Quando saciou a sua sede,

    Reparou

     que à entrada da fonte

     estava um cesto

     com figos a secar.

    Olhando com gulodice,

    acabou por tirar três figos

    para mais tarde saborear.

     

    Quando chegou a casa,

     o homem reparou

    que os figos

    se haviam transformado

    em moedas de ouro.

    Resolveu assim voltar para trás,

     a fim de procurar

    mais moedas de ouro

    junto da entrada da fonte.

    No entanto,

    quando chegou lá,

     não havia

    nem sinal de figos,

    nem de moedas de ouro.

     

    Foi então

    que ouviu

    uma voz  de mulher,

     que lhe disse:

     

    «Agora é que as vens buscar?

    As moedas estavam

     guardadas para ti,

    mas como não reparaste

     no seu verdadeiro valor,

    agora ficarás somente

    com as que levaste».

    E nunca mais o senhor

    teve outra oportunidade

    para ficar rico.

     
    Por:
    Maria do Rosário da Silva
    Azinhalete de Cardigos

    A LENDA DA MOURA


     
     
    A LENDA DA MOURA

     

    No tempo dos Mouros,

    havia uma aldeia

     ao pé da Chaveira, 

    chamada, Nova Chaves,

    para onde levaram

    três pedras grandes.

    Toda a gente se admirava

    e interrogava

    de onde teriam vindo.

    Conta a lenda

    que foi uma Moura

    que as trouxe

    da Portela de Vila de Rei,

    à cabeça todas três

    com um menino ao colo,

    uma roca afiada

    e ali as veio colocar,

    para sempre recordar.

     

    Em pleno século XX

    ainda lá existiam.

              Por:
    Júlia Martins 
    Chaveira de Cardigos                     

     

    quarta-feira, 20 de março de 2013

    PRIMAVERA ENCANTADORA




    Que maravilhosa é a flor da esteva
    durante a Primavera, nos campos!
     Desejamos que ninguém se atreva
    A desvalorizar tamanhos encantos!

    A primavera  é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.
    A Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal", e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal" tem início, no Hemisfério Norte, em 21 de Março e termina em 21 de Junho. A "Primavera austral" tem início, no Hemisfério Sul, a 22 de Setembro e termina a 21 de Dezembro.
     
    Do ponto de vista da Astronomia, a primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio de Setembro e termina no solstício de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinócio de Março e termina no solstício de Junho.
    Como se constata, no dia do equinócio o dia e a noite têm a mesma duração. A cada dia que passa, o dia aumenta e a noite vai encurtando um pouco, aumentando, assim, a insolação do hemisfério respetivo.
    Estas divisões das estações por equinócios e solstícios poderão ser fonte de equívocos, mas deve-se levar em conta a influência dos oceanos na temperatura média das estações. Na Primavera do hemisfério sul, os oceanos meridionais ainda estão frios e vão aos poucos aquecendo, fazendo a Primavera ter temperaturas amenas ao longo desta estação.

     

    terça-feira, 12 de março de 2013

    DIA DOS PAIS, DE S.JOSÉ E DO ARTESÃO EM 19 de Março

    S. José, padroeiro dos Pais, em Portugal

    Découpage e envelhecimento
    Técnica desenvolvida por:
    Gracinda Tavares Dias



    Dia do Pai, 19 de Março (em Portugal), ou Dia dos Pais, segundo domingo de agosto (no Brasil) é a data comemorativa em que se homenageia a figura paterna.

     


     História

    Evoca-se como origem dessa data a Babilônia, onde, há mais de 4 mil anos, um jovem chamado Elmesu teria moldado em argila o primeiro cartão. Desejava sorte, saúde e longa vida a seu pai.
    Entretanto, a institucionalização dessa data é bem mais recente. Em 1909, nos Estados Unidos, Sonora Luise resolveu criar um dia dedicado aos pais, motivada pela admiração que sentia pelo seu pai, William Jackson Smart. O interesse pela data difundiu-se da cidade de Spokane para todo o Estado de Washington e daí tornou-se uma festa nacional. Em 1972, o presidente americano Richard Nixon oficializou o "Dia do Pai" (Father's Day).

     Comemoração

    Segundo a tradição, nos Estados Unidos, ele é comemorado no terceiro domingo de Junho. Em Portugal, o dia do pai é comemorado a 19 de Março, seguindo a tradição da Igreja católica, que neste dia celebra São José, marido de Maria (a mãe de Jesus Cristo).
    A data foi criada no Brasil pelo jornalista Roberto Marinho que implementou com o objetivo de incentivar as vendas do comércio e, por conseguinte, o faturamento de seu jornal, “O Globo”. No Brasil, é comemorado no segundo domingo de agosto. Relata-se que o publicitário Sylvio Bhering propôs a primeira celebração do Dia dos Pais no Brasil para o dia 14 de agosto de 1953, dia de São Joaquim, patriarca da família Bhering.

    BOA QUARESMA













    trabalhos para solidariedade e convívio com idosos


    COMEÇA UM TEMPO DE NOVAS OPORTUNIDADES

    NÃO O IGNORES!

    QUARESMA

    Deus convoca o seu povo

    "Voltai a Mim de todo o coração"
    "Deus é compassivo e misericordioso"
    "Deixai-vos reconciliar com Deus"

    AGORA É O TEMPO FAVORÁVEL

    Abertura para os outros

    - caridade
    - compreensão
    - amabilidade
    - perdão
    - bom acolhimento

    AGORA É O TEMPO FAVORÁVEL

    Abertura para Deus
    - escuta da Palavra
    - oração
    - eucaristia
    - reconciliação

    AGORA É O TEMPO FAVORÁVEL

    Entrar no meu interior

    - auto-controle
    - equilíbrio na nossa escolha de valores
    - renúncia a coisas supérfluas

    AGORA É UM TEMPO FAVORÁVEL

    Abertura ao compromisso

    - solidariedade
    - aproximação aos necessitados
    - busca da Paz

    Tenta-me o deixar para amanhã, quando preciso mudar, hoje

    - Tenta-me crer que te escuto, quando escuto a minha voz
    - Dá-me luz para discernir
    - Dá-me luz para distinguir o teu rosto

    Boa  QUARESMA

     

    segunda-feira, 11 de março de 2013

    TEMPO DE QUARESMA

    Terço de parede da autoria do artesão:
    Domingos Martins
    Carvalhal de Cardigos

    O Tempo da Quaresma é o período do ano litúrgico que antecede a Páscoa cristã, sendo celebrado por algumas igrejas cristãs, dentre as quais a Católica, a Ortodoxa, a Anglicana[, a Luterana.
    A expressão Quaresma é originária do latim, quadragesima dies (quadragésimo dia). O adjetivo referente a este período é dito quaresmal.
    Em diversas denominações cristãs, o Ciclo Pascal compreende três tempos: preparação, celebração e prolongamento. A Quaresma insere-se no período de preparação.
    Os serviços religiosos desse tempo intentam a preparação da comunidade de fiéis para a celebração da festa pascal, que comemora a ressurreição e a vitória de Cristo depois dos seus sofrimentos e morte, conforme narrados nos Evangelhos.
    Esta preparação é feita através de jejum, abstinência de carne, mortificações, caridade e orações.
    A separação do Carnaval e o período da Quaresma inspira um vasto grupo de tradições folclóricas, algumas oriundas de ritos anteriores ao Cristianismo referentes ao pouso do inverno e do posterior renascimento primaveril da terra, no hemisfério norte.

    domingo, 10 de março de 2013

    ORAÇÕES PARA AFASTAR A TROVOADA

    Freguesia de Cardigos



    Reza para afastar a trovoada”

    “Santa Barbara pequenina
    Se vestiu e calçou
    Seu caminho caminhou
    ... Jesus encontrou
    E Ele perguntou
    Barbara, onde vais?
    Senhor, vou para o céu,
    Abrandar a trovoada
    Que sobre nós anda armada
    Manda para o monte do rosmaninho,
    Onde não haja pão e vinho
    Nem ramo, nem maneira
    Nem folhinha de Oliveira.”

    “São Gregório se vestiu e calçou
    No caixilhinho pegou
    Nosso Senhor encontrou
    Nosso senhor lhe perguntou
    Onde vais São Gregório?
    Vou levar esta trovoadinha
    Então leva-a para bem longe
    Onde não haja pão nem vinho
    Nem raminho de figueira
    Nem nada que o Senhor queira.”

    “Santa Barbara bendita
    Que no céu está escrito
    Com raminho de água benta
    A pedir ao Senhor
    Que nos abrande esta tormenta.”

    Estas são algumas das orações que se dizem para afastar a trovoada, também é por hábito em vez de proferir as orações, queimar um ramo de oliveira benzido na missa de Nossa Senhora das Candeias ou uma acender uma vela benzida.

    sexta-feira, 8 de março de 2013

    PARABÉNS PELO DIA DA MULHER

    Mulheres trabalhando e convinvendo num grupo de Voluntariado e Artesanato, no Projeto Escola de Artes da Chaveira de Cardigos
    Mulher...Ela é o sexo frágil!!!
    Será que o nome combina?
    É mais forte do que pensam.
    Ela é uma heroína.
    É a fonte do amor
    É inspiração divina.

    Mulher...
    No trabalho se destaca
    Com coragem e bravura
    No lar, ela é rainha
    de amor e de ternura.
    Deus fez deste ser completo
    a mais doce criatura.

    Mulher...
    Quer nas forças das ideias,
    quer na força do seu braço,
    no trabalho, ela conquista,
    com bravura, o seu espaço
    com luta e persistência
    Ela avança passo a passo.

    Mulher...
    Mesmo na adversidade
    ela nunca desanima,
    e uma palavra amiga
    eleva a sua auto-estima.,
    pronta para começar
    e dar a volta por cima.

    Mulher...
    A vida pública para ela
    já se tornou rotineira.
    Na hierarquia política
    ela é a dama primeira.
    É a base da família
    esta grande companheira.

    Mulher...
    Parabéns pelo teu dia
    e, também, pela conquista
    Busque os seus objetivos
    e mantenha-se ótimista.
    O caminho está aberto
    Vá em frente, não desista.

    UM ABRAÇO PARA TODAS AS MULHERES

    FELICIDADES

    CONSIGNAÇÃO FISCAL A FAVOR DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CARDIGOS

    Exemplo de onde pôr a cruz e o n.º 501 461 418 da Santa Casa da Misericórdia de Cardigos, no Anexo H, aquando do preenchimento do IRS, se desejarem contemplar a Instituição da nossa terra.
    Mais explicações, apelos e agradecimentos já circulam na Internet.
    Mais uma vez, bem-hajam pela colaboração e partilha.

    CONSIGNAÇÃO FISCAL A FAVOR DA SCM DE CARDIGOS
    "A Lei Fiscal estipula que os contribuintes de IRS podem mencionar no Anexo H do modelo 3 das suas declarações, uma Instituição de Solidariedade Social, para que 0,5% do seu imposto que vier a ser liquidado, reverta para essa Instituição. Isto quer dizer que o Estado abdica dessa percentagem a favor da Instituição indicada, nada prejudicando o contribuinte.
    A Mesa Administrativa vem AGRADECER o contributo de todos que, no ano transacto, efectuaram uma consignação fiscal a favor da Santa Casa da Misericórdia de Cardigos. Graças ao seu espirito solidário, esta Instituição pôde beneficiar, pela primeira vez, desta ajuda.
    Deste modo, vimos mais uma vez apelar à sua colaboração. Para isso, basta que, aquando do preenchimento do seu IRS, mencione no referido Anexo H o número de contribuinte da Santa Casa da Misericórdia de Cardigos: 501 461 418. Com esta receita extraordinária, a SC da Misericórdia de Cardigos poderá aumentar a sua capacidade de resposta às necessidades da população.
    Aqui deixamos o apelo.
    Mas para que o mesmo chegue ao maior número possível de pessoas, pedimos que, por todos os meios, não esquecendo os facultados pela internet, divulgue esta informação, encaminhando-a para todos os seus amigos.
    Tome boa nota na sua agenda, memorize, divulgue aos seus familiares e amigos.
    Bem hajam!
    A Mesa Adm. da SC da Misericórdia de Cardigos."




     

    quarta-feira, 6 de março de 2013

    ENSINO/APRENDIZAGEM E CONVÍVIO

    Idalina Silva a ensinar a pintura no vidro a Céu Matias

    É lindo e saudável observar estas reuniões de trabalho e lazer e apreciar os lindos comentários que os amigos publicam na cronologia do nosso grupo de Fãs de Voluntariado e Artesanato. Estes trabalhos são desenvolvidos no Projeto da Escola de Artes da Chaveira de Cardigos (PEAC).
     
                                                As manas Céu Matias e Alice Silva, na hora da confraternização, todas risonhas. Foi a Alice que confecionou o lindo e saboroso bolo para todo o grupo que se mantém coeso já há 8 anos.
    O filho da Céu, Alexandre Matias escreveu um lindo comentário na página de Fãs de Voluntariado e Artesanato e, eu transcrevi para o meu blog. Bem-haja, Alexandre e boa sorte!

    DIA DA MULHER EM 2013







    título: tulipas
    Técnica: óleo sobre tela
    Autora: Gracinda Tavares Dias
    Dia da Mulher em 2013


    DIA DA MULHER EM 2013

    Mais um dia da Mulher
    a festejar com amor
    e com todo o primor!
    Não deixemos de participar
    neste evento de louvar
    e de muito admirar
    por ver mulheres a lutar,
    para outras apoiar,
    nos seus legítimos direitos
    por mais dignidade,
    pelos seus feitos,
    para mais liberdade
    e, também  igualdade.

    Não mais descriminação,
    Apenas por ser Mulher!
    não mais tanta opressão,
    que, isso, ela não quer!
    Lutemos ainda mais
    para ideais conseguir
    e não proferir tantos ais,
    nem, mais mal admitir!

    Dia 8 de Março é o nosso dia,
    dia de amor e confraternização.
    As Mulheres merecem alegria
    e muitos Parabéns, com emoção!

    Gracinda Tavares Dias

    terça-feira, 5 de março de 2013

    LINDA REFLEXÃO DA FELICIDADE

    Interior da Igreja de S. Pedro, da Chaveira de Cardigos

    "NÃO SÃO AS PESSOAS FELIZES QUE SÃO GRATAS; SÃO AS PESSOAS GRATAS QUE SÃO FELIZES"


    Senhor Jesus, ensina-me, mais uma vez, que a liberdade verdadeira, e a felicidade duradoira, consistem na vivência do amor, que se faz dom generoso e incondicional, que se faz obediência humilde e alegre. Infunde em mim a tua força, o teu santo Espírito, para que cumpra a Lei Antiga e Nova, não em atitude de escravo, mas de filho, em atitude de homem verdadeiramente livre. Assim, a vontade do Pai tornar-se-á para mim, como foi para Ti, alimento saboroso que me fará progredir na liberdade e na felicidade. Ajuda-me a ser livre e fazer livremente aquilo para que me criaste, para que jamais volte a cair na escravidão e na infelicidade. Não se faça o que eu quero, mas o que o Pai quer de mim.

    sexta-feira, 1 de março de 2013

    DEDICADO A MANUEL MATIAS (ferrador) DA CHAVEIRINHA DE CARDIGOS



                                                  foto de Armindo Mariano Fernandes (Beloura)



    À MEMÓRIA DE MANUEL MATIAS,
    DA CHAVEIRINHA

    Faleceu a 21 de Fevereiro
    Uma pessoa estimada,
    da Chaveirinha de Cardigos
    Que sempre será lembrada.

    Chamava-se Manuel Matias,
    Conhecido por ferrador
    e, em todos os dias
    Era tratado com amor.

    Era artista a salientar
    nos espantalhos, perito
    Para o prémio ganhar
    com todo o mérito.

    Já de avançada idade
    partiu o nosso vizinho
    Ele era, na verdade
    Digno de muito carinho.

    Paz à sua alma

    Pelo Povo da Chaveira e Chaveirinha

    Gracinda Tavares Dias

    À MEMÓRIA DE FERNANDO MARIANO, DA CHAVEIRA DE CARDIGOS


    À MEMÓRIA DE FERNANDO MARIANO

    Era uma excelente pessoa
    com atitudes a salientar
    sempre com alguma idéia boa
    para os bonecos criar.

    Artista com habilidade
    Era o Fernando Mariano
    com 75 anos de idade
    Deixou-nos, este ano.

    Ocupado nas bricolagens
    Estava sempre este amigo
    gostava de outras paragens
    e da Misericórdia fez abrigo.

    Participava nos passeios
    da Misericórdia de Cardigos
    E, com todos os anseios
    Estimava os amigos.

    O povo da tua Chaveira
    e, também da Chaveirinha
    recordar-te-ão, na brincadeira
    desejando paz à tua alminha.

    Por todo o povo da Chaveira e da Chaveirinha

    Gracinda Tavares Dias